É #fake que autistas não têm empatia: conheça a teoria do mundo intenso

Um dos maiores mitos em relação ao autismo é que pessoas com TEA não têm empatia porque não demonstram emoções ou não realizam contato visual.

A teoria dos pesquisadores Henry e Camila Markram afirma justamente o oposto. Chamada de Teoria do Mundo Intenso, ela aponta que, na verdade, autistas apresentam mais empatia que pessoas neurotípicas.

O que acontece é que autistas têm hiperssensibilidade sensorial, portanto sentem as coisas sempre de modo intenso, no máximo.

Pesquisadores afirmam que autistas podem não compreender a dinâmica das convenções sociais e apresentar dificuldade de se comunicar, mas que eles percebem as situações de uma forma intensa.

Por receberem informações de modo intenso, a interação social pode ser um problema para o autista. O que acontece é que existem jeitos diferentes de se expressar e sentir emoções.

Então da próxima vez que você ouvir alguém dizer que autistas não têm empatia, você já sabe que quem não tem empatia é essa pessoa, que não consegue imaginar outras formas de sentir o mundo diferente das dela.

COMPARTILHAR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

vinte − nove =

Rolar para cima
Open chat